quarta-feira, 27 de julho de 2011

Escolha da Host Family - Sobre Crianças Com Necessidades Especiais - PARTE 02

Dando continuidade ao assunto de ontem, vou contar alguns casos veridicos.

Eu vou te comer em pe

CASO A
 A host mãe, solteira, executiva baluda em New York City, precisava de uma au pair pra filha de 09 anos. A proposta parece linda, não? Mas veja você como o diabo não é tão feio quanto se pinta: A mãe comentou, ao longo da entrevista, momento anterior ao match, que a menina era levemente perturbadinha. Disse que tomava um remedinho no esquema e que pans, ia na psicológa toda semana. Assegurou que nao existia motivo pra au pair se preocupar que ó, ia ser só alegria. A coitada da futura au pair, cheia de foguinho no bumbum pra ser moradora de NYC cuidando de apenas uma pessoinha, foi toda se querendo pra casa dessa gente. Chegou lá e se deparou com uma exu infantil menina que ameaçou abrir a porta do carro em movimento e se jogar no meio da estrada de alta velocidade. Poucas semanas depois, essa mesma insana criancinha puxou uma faca pra au pair afirmando categoricamente que iria mata-la. A moça precisou se trancar no banheiro, chamar a policia pelo telefone celular e aguardar a chegada de força policial para conter a pequena psicopata.

CASO B
Casal morador de New Jersey, ali pertim de Nova Iorque, com 02 menininhos. Maravilha. Entrevista normal, au pair foi feliz e empolgada pra casa dos caras. Chegando lá, a moça foi informada que o menino mais velho tomava um remedinho as vezes, porque ele e HIPER-ATIVO, mas que eles não gostam de dar o remedinho todo dia porque tira a fome dele, coitadinho! Resultado: outro que puxou a faca pra au pair.

Não, eu não estou brincando.


Reflitam sobre os casos acima, amanhã eu continuo a falar sobre o assunto, dando dicas de como você poderá SE LIVRAR desse tipo de familia logo na primeira entrevista.

Perguntas no email brunnahf@gmail.com
Sigam a tia no twitter @babufs

 A chatuba de Minessota come a au pair de geral.