sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Perguntas que as famílias vão fazer na entrevista

Tia Bruna, o que as famílias vão me perguntar na entrevista?
Surgiu no Grupo de Au Pair do Facebook alguém que conseguiu uma espécie de guia que orienta as host families no processo de fechar o match com uma futura au pair. Chama-se "A 3-step guide to the Matching Process". Dei uma lida em tudo e copiei aqui a parte que interessa - as perguntas que as famílias vão fazer na hora das entrevistas. 
Se segura na cadeira, prepara a mentirada  na ponta da língua e vem comigo:

Child Care Experience
• What times of the day do you normally take care of children?
• What is the longest amount of time that you have taken care of children by yourself?
•Was this during the daytime or evening? How did you feel at the end of that time?
• What experience do you have changing diapers ( “nappies”), preparing lunches, cooking
meals for children, driving children around? (You should ask about child care
activities that you would assign to her.)
• What do you do when a child does something he should not do?
• What do you do when you ask a child to do something and he won’t listen?
• How can you make bed time fun and easy?
• If a child gets angry and cries and kicks, what would you do?
• What can you do if a brother and sister are fighting, arguing, or can’t play together
nicely?
• What can you do if two children want your attention at the same time?
• How can you help a child who cries when his mother leaves?
• Give an example of a specific situation when your child was difficult and ask what the
applicant would have done had they been caring for the child.
• Have you ever taken care of more than one child by yourself? How did you feel?

• Do you think of yourself as a supervisor, teacher, friend, or playmate when you are
taking care of children? Why?
• Do you prefer to take care of children who are a certain age? Gender? Why?
• What activities do you like to do with children?
• What age child have you helped with homework? What courses did you like the most
in school? What courses did you do the best in at school?

Homesickness and culture shock
• What is the longest period of time you have spent away from your family and friends?
Did you ever get sad or lonely because you were away from them? When did you miss
them most? What did you do about it?
• Have you ever spent time in another country? What things were the same? What
things were different? What was the most difficult thing to figure out while you were
there?
• What do your parents think about your decision to become an au pair/companion? Do
you think they will visit you while you are in the U.S.? How do you plan to keep in
touch with them?
• Do you have a significant other? If so, how do they feel about your decision to become
an au pair/companion? Do you think they will visit you while you are in the U.S.?
How do you plan to keep in touch with them?
• What do you do when you’re sad?
• What do you do when you feel like you are under a lot of pressure?

Fitting into your lifestyle
• Do you live with your family members now? If not, when was the last time that you
did?
• Do your parents have any rules that you must follow while you are in the house? Do
you let your parents know where you are going and what time you will return? Do you
have to be home by a certain time at night? How do you feel about house rules?
• Based on the time of day that you will start work (give a concrete example), what time
do you think you would need to be asleep in order to take good care of the children the
next day?
• Who is responsible for things like cooking, cleaning and doing laundry in your house?
How much is everyone expected to help? How much do you help?
• Describe your town or city. What do you like about it? What do you dislike about it?
• Tell what you usually do from the time that you wake up until the time that you go to
sleep. How much television do you watch? How much time do you spend reading or
doing other quiet activities? How much time do you spend with other people? How
much time do you spend talking on the telephone?
• If someone were to describe you, what would they say? How would they describe the
way you act with other people? How would they describe the way you act with children?

• If you took a picture of your room right now, what would it look like? Are you neat or
messy? How would you feel living with someone who is neat or messy?
• Do you plan your day in advance or do you like things to “just happen”?
• When you go out with your friends (and/or significant other), where do you typically
go? What do you typically do? How many times each week do you go out with
friends?

Family life
• Describe the kind of relationship that you have with your parents. Describe the kind
of relationship that you have with your brothers and sisters. What activities do you do
together as a family? What is your favorite thing to do together?
• What is the best memory you have of your family?
• When you make a decision, who are you most likely to ask for advice?
• Who will you miss the most? Why?

Health
• How many times a year do you usually go to the doctor because you are sick?
• Do you regularly see the doctor for a medical condition such as allergies, asthma, diabetes,
epilepsy, etc.?
• Do you regularly take any medication?
• What are your favorite foods to eat? What kinds of foods do you usually eat? Are
there any kinds of foods that you cannot eat? Are you a vegetarian? Do you follow a
kosher diet?
• Do you have any allergies (ask specifics) to pets that you did not put down on your application
form? Are you comfortable around pets?
• Do you smoke cigarettes on a daily basis? Do you smoke cigarettes when you go out
at night? If so, do you think that you will be able to stop smoking when you are in the
house and car and around the children?

 Educational and cultural issues

• What things would you like to see and do while you are in the U.S.? Do you have any
hobbies or activities that you would like to continue doing while in the U.S.? Are there
any new activities that you would like to do while in the U.S.?
• What classes would you like to take while you are in the U.S.?
• What do you plan to do at the end of your year? What do you think you will be doing
two years from now? Five years from now?

Driver’s license (if applicable)
• How many months or years have you been driving? How many times per week do
you drive? What kinds of roads do you normally drive on (highway, “motorway”,
country)?
• What kind of vehicle do you drive?
• Have you ever been stopped by a policeman while you were driving because you did
something wrong? If so, what happened?
• Have you ever had a traffic accident? If so, what happened?
• Do you know where you can get an international driver’s license or where you can find
out how to get an international driver’s license?
• How would you feel about driving the children (list specifics)?
• How would you feel if we cannot provide you with a car?
• Can you drive a manual transmission (car with manual gears)? Are you responsible
for taking care of a car now?


Bem, minha gente, espero ter ajudado. Eu devo ter esse manual completo salvo em algum lugar do meu computador, quem quiser é só me escrever brunnahf@gmail.com que eu encaminho.
Sigam-me no twitter @babufs
                             Nada não, sópostei essa foto pra vcs verem o quanto eu sou bonita. 

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Indo ao Salão de Beleza nos Estados Unidos

Tia Bruna, vc frequentava salões de beleza? 

NÃO.

Vou explicar baseada nas minhas necessidades particulares e nos salões de beleza localizados perto de onde moro.

Unha no Estado do Missouri custa por volta de uns 20 dólares pé e mão. Conforme afirmei anteriormente, não sei o preço em outros lugares. Sei que aprendi a fazer minhas unhas sozinha aos 9 anos de idade. Aqui nos Estados Unidos, por curiosidade,  fui na manicure umas 3 vezes. As asiaticas antipáticas, grossas, vadias e porcas são as dominadoras desse mercado na cidade onde moro. Elas pintam muito bem mas não sabem tirar cutícula, então prefiro fazer euzinha própria. Aprenda vc também, caso não tenha dinheiro sobrando.
Em determinadas cidades existem inúmeros salões de beleza pertencentes a brasileiras, o que infelizmente não é o caso de onde vivo. 
Posso ser babaca? Meu cabelo é virgem. Preciso ir ao salão somente pra cortar. Os cortes nos cabelereiros daqui raramente passam de 30 dólares, o que considero um precinho razoável e não muito diferente do Brasil. 
Muita americana pinta o cabelo, e como americanos são zuras ao extremo, creio que milhares delas executem esse serviço sozinhas em casa ou com a ajuda de uma amiga. 
Logo, tome vergonha nessa cara e aprenda a fazer essas coisas básicas. Digite lá no Youtube "como fazer unha", "como pintar cabelo" e aprenda. Até pensei em postar alguns vídeos aqui, mas estou sem saco e vcs andam extremamente preguiçosinhas me perguntando tudo, então vão se catar. Se virem. Eu hein.
Dica: Muitos salões dão cupom de desconto pra alguns serviços. Procure no jornal, em catálogos, na internet, ou pergunte pra sua host ou alguma au pair mais antiga que more perto de vc.
Dúvidas, dívidas, elogios, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga a tia no twitter @babufs

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Localização Geográfica de Uma Au Pair

Tia Bruna, existiu alguma expectativa que se revelou totalmente frustrada enquanto vc estava no programa de au pair?
Gent, sei que tenho sido até chata batendo constantemente nessa tecla nos últimos tempos, mas preciso alertar voces. 
Em PRIMEIRO LUGAR, priorize encontrar uma família legal. Porém, verifique sempre se o lugar onde moram vai te proporcionar o estilo de vida que vc gosta.
Eu gostava da minha host family, mas o lugar que eles moravam foi uma decepção. Eu achava, por pura ingenuidade, que qualquer lugar dos Estados Unidos seria suuuper legal. Como minha idade pra ser au pair já estava estourando, fiquei desesperada com medo de não conseguir outra família a tempo e acabei indo parar numa cidade do Estado do Missouri chamada O'Fallon, um local completamente neutro, com pouquíssimas opções de diversão. Até tem coisas pra fazer em cidades não muito distantes, mas nada comparado ao meu Rio de Janeiro... 
 O motivo que me fez sofrer nesse aspecto foi a minha personalidade de carioca-bairrista. Sou o tipo de pessoa que não é feliz se o ambiente ao redor não for uma eterna Copacabana. Eu gosto mesmo de bater perna, olhar lojinhas, entrar em pequenas galerias comerciais, tomar um café e comer salgadinhos em pequenas vendas de bairro, descobrir brechós e galerias de arte. Logo, a cidade dos meus hosts era uma tristeza dentro da minha concepção de vida. Eu estava preparada pra encontrar ao menos um local onde houvesse um pequeno centrinho próximo da casa, onde pudesse tomar uma cerva, ler um livro e fazer uns amigos depois do trabalho, mas nem isso... 
Creio que uma menina criada em cidade pequena iria adorar o local onde fiz intercambio, mas se vc pertence ao Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte ou qualquer outra cidade grande, reflita bastante se vc vai se adaptar bem a esse tipo de cidade. Pesquise as áreas das famílias que demonstrarem interesse em vc, o Google tá aí pra isso. Cidades com pouca informação no Google certamente são pequenas, pense mil vezes. 
Por outro lado, se o seu sonho é morar longe da violencia, transito, poluição, lugar pequeno é perfeito.
Mais uma vez repito, ir pra casa de uma boa família é o mais importante, mas vale a pena tentar combinar isso com um lugar onde vc vá se sentir bem e que siga o seu estilo de vida.
Querendo trocar idéia, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga a tia no twitter @babufs
Eu sou a pessoa de casaco rosa, visitando uma caverna e tentando ser feliz no interior.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Enviando Coisas Para o Brasil

Tia Bruna, vc envia presentes frequentemente para seus parentes no Brasil? Se sim, saía muito caro? Existem muitas restrições?
Envio coisas quando eu tenho $$$ sobrando, saco pra ir ao correio e as mercadorias não são  pesadas. O peso é o que mais encarece o envio...  Dizem que não pode mandar perfume, mas já mandei e chegou. Eletronicos exigem seguro, o que encarece bastante o envio. 
Nunca sai por menos de 15 dólares enviar qualquer coisa sólida, a não ser que seja somente 1 carta. Demora no mínimo uns 15 dias pra chegar quando vc opta pelo envio simples. Existe jeito de fazer chegar uns 2 dias depois, mas nunca me atrevi a perguntar o preço dessa brincadeira.
Dica: se vc começar a mandar muita coisa pro mesmo endereço, a Polícia Federal começa a segurar suas caixas e obrigar o destinatário a pagar imposto (caro para ca#a&ho) pra retirar. É bom vc esquematizar com seus parentes e amigos toda uma estratégia de logística. Depois que comecei a fazer isso, nunca mais tive problemas.
Seguem os sites das empresas mais famosas nos Estados Unidos que fazem esse tipo de serviço:
Interessante também dar uma lida no que o correio brasileiro diz a respeito do envio de mercadorias aos Estados Unidos:

Dúvidas, dívidas, reclamações, elogios, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga a sua tia no twitter @babufs

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Tia Bruna, em algum momento vc teve vontade de pedir para trocar de host family?


Não, e não sei explicar o motivo. Tudo que sei é que me arrependo de não ter trocado quando fiz a extensão do programa para 2 anos.
Meus hosts não eram a melhor família do mundo, mas também não eram a pior. O que mais me aborreceu morando com eles foi: Eu sou carioca, moradora da Zona Sul da cidade, aquela que geralmente aparece nas novelas e tal. Quem conhece o Rio de Janeiro sabe que a cidade, apesar dos seus inúmeros problemas, é uma puta cidade legal. No Rio vc não fica a toa. Tem gosto pra tudo, é um lugar 100% cosmopolita. Vc sai do trabalho e escolhe o seu estilo de bar/restaurante favorito, vai a pé ao cinema, ao teatro, faz umas noitadas boas perto de casa. Isso tudo porque eu ainda nem mencionei as praias. Transporte é a coisa mais fácil do mundo, existe metro, trem, onibus, taxi a dar com o pau. Essa era a vida que eu era acostumada a levar, botando o pé na porta de casa e tendo 1001 opções de coisas pra fazer. Pois bem, meus hosts moravam no cú dos Estados Unidos. Desculpem o termo grotescamente grosseiro, mas não tenho outra descrição melhor. Pra se fazer qualquer programa razoável na cidade deles, é necessário dirigir no mínimo uns 25 minutos. Gent, em 25 minutos vc dirige o Rio de Janeiro inteirinho (se não tiver transito). E eles não faziam idéia de onde eu estava vindo, do quanto estava sendo difícil morar naquele lugar. Não por ignorancia, mas americano geralmente acha que não existe lugar melhor que qualquer buraco dentro dos EUA e que a cidade deles era o máximo. Tadinhos. Mas enfim, eu deveria ter completado o 1o ano na casa deles e depois ter saído fora pra alguma cidade grande. Perdi uma super oportunidade de conhecer lugares melhores e ter um estilo de vida mais legal e próximo do que eu era acostumada. 
Porém, o que pesa muito no momento de trocar de família é que criança americana é muito difícil. São mimados, chatos, etc. e os pais acham isso a coisa mais normal do universo. Então muita menina que está insatisfeita com o lugar, como eu estava, acaba ficando na mesma família porque não quer ser obrigada a conquistar novas crianças, entrar na numa nova rotina... Foi basicamente o que aconteceu comigo, minha gent. No  final de tudo, nessa roça eu acabei conhecendo meu marido lindo e hoje sou feliz. A cidade onde moramos é um pouco melhorzinha do que a dos meus ex hosts.

Ilustrando:
Eu fui morar nesse lugar...
 ...depois de ter sido nascida e criada nesse:
Fica aí a dica, pra que vc também não se f*#a dessa forma.

Espero que voces não caiam no mesmo erro de ir morar no bumbum da América e sejam felizes com a localização geográfica das suas host famílias. 
Beijos a todas.
Dúvidas ou dívidas, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga-me no twitter @babufs

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Procedimento Para Lavar e Passar as Roupas na Casa da Host Family



Tia Bruna, qual era o procedimento para lavar e passar as roupas? Era você a era responsável pela limpeza e organização das roupas que as kids usavam? 


Não, eu não era responsável pelas roupas das crianças, porque minha host mother preferia fazer sozinha. Ela lavava as roupas dela e do marido misturadas com as das crianças com a intenção de economizar água porque gente zura é foda.
Porém, preciso esclarecer que zilhões de au pairs tem a lavagem de roupas DAS CRIANÇAS na lista de responsabilidades. Vc leu que é das CRIANÇAS, né? Dos outros adultos da casa, vc só lava as roupas SE QUISER SER BABACA GENTIL. Não aconselho. Mas continuando, a melhor forma de vc descobrir será perguntando e pedindo pra sua host mãe te mostrar como ela prefere que seja feita a laundry.
Eu lavava apenas a minha própria roupa. Lavar roupa aqui nos EUA é tão legal que vc vai até curtir fazer. Verifique uma típica lavanderia americana:

A lavadora de roupas fica sempre ao lado da secadora. Vc coloca as roupas lá dentro da máquina, coloca um paninho muuito legal, chamado Color Catcher, que serve pras roupas não mancharem com as tintas umas das outras. Isso vende no mercado. Se tem no Brasil eu nunca vi, sou pobre, malz ae. 


Depois coloca o sabão na máquina e aperta o botão pra ligá-la. Quando acabar, vc coloca tudo na secadora de roupas. Dentro da máquina, vc põe junto com as roupas um outro paninho que deixa as roupas esticadinhas. É um amaciante, só que em forma de folha. 

Liga o botão e sai tudo sequinho depois. Agora é só pendurar no cabide. Eu não curto muito secadora em relação a roupas de algodão pra pans não encolher. Prefiro pendurar tudo no cabide e esperar secar naturalmente. 
Ninguém nesse país passa roupa no ferro, fica tranquila. Muita gente tem aqueles vapores que vemos em lojas no shopping, chama steamer, e que é mais fácil pra passar roupas. Se na sua host casa não tiver, compra 1 pra vc! Um potente custa uns 50 dólares e é perfeito. Veja:
Lindo, não?
Enfim, galero, espero ter ajudado. 
Qualquer coisa, podem me escrever em brunnahf@gmail.com
Sigam a tia de vcs no twitter @babufs
O meu Facebook está em algum lugar aí na barra lateral do blog, sinta-se a vontade pra solicitar amizade.
Bej no bumbum.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Dando Banho nas Crianças Alheias

Tia Bruna, era vc quem dava banho nas crianças?


Não. A mãe preferia dar o banho das crianças. Porém, saiba que é comum a au pair ter o banho incluído na sua lista de tarefas. 
A melhor maneira de aprender esse tipo de função é prestando MUITA ATENÇÃO ao longo da 1a semana em q vc está na casa. A mãe ou o pai vão fazer na sua frente e depois é só vc copiar. Em caso de dúvida, pergunte. Ninguém vai te punir. Ao contrário, vão notar que vc se preocupa com as coisas da família.
O procedimento é simples. Geralmente, americano  tem banheira em casa. É só vc encher a banheira de água numa temperatura em que não vá cozinhar as crianças nem congelar as pobrezinhas. Depois vc passa o xampu, manda a criança esfregar as partes íntimas sozinha (pra depois nao ficarem dizendo q vc abusou sexualmente de uma pessoa de 3 anos) e é só secar. Penteie o cabelinho e mande se vestir. Não é nada demais, pode me ligar caso vc se enrole muito. 
Veja esses vídeos sobre banho em nenenzinhos recém nascidos:




Dúvidas, dívidas, pedidos de amizade, desabafos, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga a tia no twitter @babufs

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Tomando Banho Na Casa da Host Family

Tia Bruna, vc tinha alguma restrição quanto ao banho? Por exemplo: limite de um banho por dia, limite de X ou Y minutos no banho... ?

Não tinha nenhuma restrição quanto ao banho nem nunca escutei nenhuma au pair comentar que tinha. Minha host mom já reclamou que a conta de água estava vindo mais alta e pediu pra eu reduzir meu tempo no banho. Caguei e andei solenemente e a vida seguiu. Se ela tivesse continuado a aborrecer minha paciencia com esta merda, eu teria ligado pra minha diretora de área e talvez até pedido rematch. Banho é necessidade básica. Não cabe discussão nisso. 
Acho que o bom senso cabe a todo momento quando se vive em casa de estranhos. Passar 03 horas se lavando no banheiro da pessoa realmente é um exagero. Ao mesmo tempo, não acho que uma menina deva aceitar viver na miséria de tomar um banho de 10 minutos. Eu hein.
Siga a tia no twitter @babufs
Precisando desabafar, tirar dúvidas, me mandar um beijo, escreva para brunnahf@gmail.com

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Amizade entre a Au Pair e a Host Family

Tia Bruna, sua host family conversava com você sobre seus relacionamentos pessoais? Perguntava sobre os seus amigos(as) e suas relações amorosas? 

Acho que isso é muito variável de família pra família. Eles perguntavam de vez em quando, mas o pouco que respondi, fiquei arrependida. 

Acho que o relacionamento pessoal entre a família e a au pair deve ser muito bem pensado. Tente se preservar no início, até conhece-los melhor. Tem família que é legal e entende de boua que a au pair é uma mulher qualquer, que faz sexo, bebe com amigos, faz compras. Por outro lado, tem família que viaja e acha que a au pair tem que ser virgem e só deve sair de casa pra ir a aula e Igreja. Fora que americano é muito estranho... Voce nunca sabe se a mulher pode achar que vc, ao conversar, está dando mole pro marido dela, etc. Eu me arrependi de ter dado certa abertura em muitas ocasiões, comentando sobre dificuldades financeiras ou até mesmo vida amorosa e amizades. No momento em que fiz o intercambio, meus pais estavam com certos problemas financeiros e deixei escapar alguma coisa pra minha host. Resultado: a pessoa começou a achar que eu estava desesperada e que ela fazia um super favor em me abrigar na casa dela. Era tudo muito sutil, mas acontecia. Acho que por mais que voce seja pobre no Brasil, sempre afirme que sua família tem boas condições. Se a sua família for de fato rica, aumente! Diga que é mais rica ainda. É uma forma de voce se valorizar e os hosts saberem que voce nao está "na mão" deles. Acho que quanto menos abertura voce der, menos problemas terá. Ressalto que essa é a minha opinião. Pode ser que voce caia numa casa onde os caras sejam suuuper legais e não exista problemas em conversar sobre qualquer assunto. Cabe a voce analisá-los e tirar suas próprias conclusões.

Querendo falar comigo, escreva para brunnahf@gmail.com
Siga a tia no twitter @babufs

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Hora-extra na vida da au pair

Tia Bruna, você trabalhava em hora-extra ou tinha alguma outra outra fonte de renda, como por exemplo, cuidar de crianças de outras familias no tempo livre ou limpar o jardim alheio?

Muita gente tem lido no aupairis.com que mesmo essa prática sendo proibida pela agência, algumas garotas fazem trabalhos extras às escondidas. Vou responder por mim:




Eu nunca fiz trabalhos "por fora" pra garantir renda extra, mas sei que tem muita gente que faz. Acho que isso depende bastante da família ser legal a ponto de não se importar que vc faça. É comum existir família que explora a au pair num nível que se vc for arrumar outro emprego vai morrer de estafa.Trabalhar 10 horas por dia cuidando de criança não é uma atividade relaxante.  Por outro abençoado lado, tem família que só usa umas 20 horas na semana do seu precioso tempo. Assim, vc tem suficiente tempo livre e pode muito bem levar o filho do vizinho na aula de teatro ou regar as plantas do casal que mora ali na esquina.

Devo contar pra minha Host Family
Não sei. Acho que isso depende do seu tipo de relacionamento com eles. Eu detesto mentira ou omissão. Caso vc decida fazer algo escondido, faça bem feito e pense nos riscos, considerando que vc pode ser desligada do programa. Existe algum vizinho ou parente morando próximo que possa te dedurar? Qual seria o tipo de reação da sua host family caso descubra? O que vc tem a perder? Analise. 

Dúvidas, dívidas, elogios, críticas, trocas de idéia, choros, risos, escreva para brunnahf@gmail.com
Dá uma moral pra tia seguindo no twitter @babufs

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Dá pra juntar dinheiro no programa de Au Pair?

Tia Bruna, vc conseguiu juntar bastante grana no fim do programa ou torrava tudo em sexo, drogas e Rock 'n' Roll gastava conforme ganhava?
Assim como a maioria, não juntei porra nenhuma. O salário de au pair é muito pouquinho, nunca ouvi ninguém comentando que conseguiu juntar grande coisa.
Nas épocas em que eu programava alguma viagem, passava 1 ou 2 meses trancada em casa, sem nem pegar no carro (pra economizar gasolina), contando com a internet como minha maior diversão. Daí eu conseguia juntar entre mil e 2 mil dólares e queimava tudo viajando. Tem gente que adora viajar, mesmo que seja uma viagem pobrinha. Se for pra viajar pobre, eu prefiro nem ir. E assim se foi o meu dinheiro de au pair.

Não acreditem, nem fiquem impressionadas, quando escutarem historinhas mirabolantes tipo 
"A prima da minha avó voltou pro Brasil com 50 mil dólares no bolso depois de ser au pair por 1 ano";
 "A recepcionista do meu escritório foi pros EUA como au pair e voltou 1 ano depois com dinheiro suficiente pra virar sócia da minha empresa"; 
"Minha prima foi au pair por 2 anos, e quando voltou, deu entrada num apartamento"; 
blablablabla, 
tudo o que eu tenho a responder é:
Parabéns pra essas pessoas, mas tenha bom senso na hora de analisar essas histórias mal contadas. Na maioria das vezes, é tudo meia-verdade. A pessoa pode ter ido pros Estados Unidos como au pair, mas assumindo o risco de ir sem agencia (desprotegida total) e ganhando 600 dólares por semana. Pode ter ido pros Estados Unidos ou pra Europa pra trabalhar como stripper/prostituta e na volta ter contado esse mimimi de que foi au pair, pra não pegar mal na família. 
Até acredito que tem gente dentro do programa regular que junta alguma merrequinha, mas geralmente quem faz isso é gente chata. Afirmo isso porque nunca vi uma pessoa legal juntar dinheiro como au pair. Sabe como é, pessoas legais são fanfarronas e consumistas = gastam $$$ indo pros lugares cools, enchendo a cara de cachaça e adquirindo roupas e maquiagens que proporcionem uma boa montagem pra isso tudo. Agora me responde: tem como juntar $$$ sendo legal?
Tem os casos onde as meninas caem em uma host family podre de rica E generosa, dessas que dão roupa pra au pair, pagam viagem, pagam $$$ a mais, etc ou permitem que a au pair tenha um outro trabalho "por fora" do programa, o que é papo pro próximo post, que vai sair amanhã, se eu tiver saco.
Dúvidas, dívidas, desabafos, escrevam para brunnahf@gmail.com
Sigam essa linda pessoa que vos escreve no twitter @babufs

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Fazendo Amizade Ao Longo do Intercambio



Tia Bruna, vc se relacionava bastante com as outras au pairs?

Mais ou menos. Quando cheguei, fiz uma amiga brasileira que virou irmã de sangue. Ela já voltou pra São Paulo. Sofri horrores quando essa menina entrou em rematch, mudou-se de Saint Louis pra New Jersey e lá viveu até que o programa acabasse. Depois disso, fiz várias amigas, brasileiras também. Algumas dentro do programa, outras que vivem ou viviam nos EUA em outras condições. Mas comecei a ver que isso não era intercambio de verdade. Amo loucamente as brasileiras, elas são os morangos do meu nordeste, mas comecei a forçar a barra pra ficar amiga das européias. Foi a melhor fase do meu intercambio. Elas fazem noitada de se divertir como se não houvesse amanhã e também fazem uns programas culturais interessantes.
Logo depois conheci meu marido e fiquei anti-social porque quis dar mais atenção a ele. Depois conto essa história.
De qualquer forma, assim que voce fecha o match com a host family, ainda no Brasil, vc recebe uma lista com o email e telefone de todas as au pairs da agencia que estão morando na sua área. Talvez eu já tenha escrito isso aqui antes, mas de qualquer forma, não custa relembrar. É só escrever 1 email avisando que vai chegar que certamente alguém vai te dar uma moral e receber vc de braços abertos.
No curso vc tbm vai conhecer bastante gente interessante (espero).
Outra forma de fazer amigos novos é participando desse site chamado Meetup. Ele enturma as pessoas conforme interesses comuns. Gent, tem grupo de TUDO nesse site. Grupo de escritores, de pessoas que falam russo, de donas de casa, de fabricantes de torta de banana, de casais carentes querendo novos amigos, de solteiros querendo uma pegação... O endereço é esse http://www.meetup.com/
Enfim, minha gente, espero que voces façam uma porrada de amigos novos e sejam felizes.
Beijo.
Quem quiser bater papo, pedir conselho, chorar, compartilhar alegrias, é só escrever pra brunnahf@gmail.com
Quem quiser me dar uma moral bacana e seguir no twitter, vou  ficar contente @babufs

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Exigência de 200 horas de experiência em cuidado com crianças

Tia, Bruna, em algum momento, alguma pessoa (da host family ou da agencia) ligou para checar informações sobre cuidado de crianças pelas 200 horas exigidas no programa de au pair?
Não, meus amores. Na minha época, ninguem ligou pra verificar as tais 200 horas. Eu dei as referências exigidas, mas as pessoas botaram lá na ficha que não sabiam falar inglês. Logo, ninguém ficou se dando ao trabalho de contratar intérprete pra verificar.
Mas tia, eu não tenho experiência nenhuma com crianças, mas quero ser au pair.
Beleza. Sugestões:
1 - Vá até o orfanato mais próximo da sua casa e ofereça-se como voluntária. 
2 - Passe mais tempo com os filhos das suas amigas/primas/cunhadas e peça as estas mães que escrevam as referências.
Espero ter ajudado.
Sigam a tia no twitter @babufs
Desabafos, dúvidas, dívidas, escrevam para brunnahf@gmail.com


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Au Pair Que Precisa Ir Ao Médico



Vocês:
Tia Bruna, alguma vez você precisou de auxilio médico? como foi?

Eu:
Queridas au pairs,
Usei o plano que as agencias nos fornecem, POR OBRIGAÇÃO DELES, em 02 ocasiões: uma em que estava com a garganta inflamada/resfriada e outra em que meu ouvido estava doendo loucamente. 
Vc não pode ficar indo ao médico pra fazer consultinha de cremes pro cabelo no dermatologista, não pode ficar indo pedir anticoncepcional no ginecologista. Porém, se vc tiver alguma dor ou passar mal, pode ir ao médico sim. 
Na verdade, o que as agencias nos concedem é mais uma espécie de apólice do que de plano de saúde. Funciona assim: vc passou mal, sentiu alguma dor, etc, liga pro número que está escrito atrás do seu cartão. Nesse telefonema, voce vai explicar pro atendende os sintomas que está sentindo e perguntar se está autorizada a ir ao médico. Dica: Sempre bom dar uma exagerada, falar que está com muita dor, com medo de transmitir o que quer que seja pras crianças. Eles sempre autorizam. Logo, o telefonista vai  te comunicar um número de autorização. Geralmente, após a conversa, eles enviam tal número pro seu email também. 
Vc então vai ao médico com sua carteirinha e nas vezes em que for obrigada a pagar qualquer coisa, o plano te reembolsará depois, inclusive os remédios. Nunca esqueça de ligar pro plano quando voltar do médico pra comunicar o que o doutor diagnosticou.
Algumas pessoas perguntaram, mas não sei nada sobre o sistema público de saúde nos Estados Unidos. Sei somente que é pior que no Brasil. A boa notícia é que se vc tiver morrendo, jamais alguém vai negar atendimento, nem que seja no hospital mais caro do país. Vc pode ficar afogada em dívidas de hospital forever, mas morta por falta de atendimento, jamais. 
bej e me sigam no twitter @babufs
quem quiser desabafar, pode escrever no email brunnahf@gmail.com


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Eu continuo essa porra porque me preocupo com voces

Oi, gent

O programa de au pair me fez meio mãe não só de filho dos outros, mas das futuras au pairs também.
Sei que tenho recebido uns emais de futuras au pairs com perguntas que eu já sabia as respostas desde o meu primeiro dia de decisão vou-virar-au-pair. Isso meu levou a concluir que voces estão sendo mal orientadas pelas agencias ou não estão sentindo confiança suficiente nas orientadoras  pra ficarem perguntando muito. 
Enfim, uma pergunta que me deixou louca da xereca foi:


Tia Bruna, nos dias de trabalho, era sua responsabilidade cuidar das crianças 24h por dia, incluindo durante a noite caso elas acordassem e tal, ou você só tinha que cuidar delas até determinada horário limite do dia/noite?

Vamos começar a responder essa questão com uma breve aula de História:

Três horas da tarde do dia 13 de maio de 1888, foi assinada, no Brasil, A Lei Áurea (Lei Imperial n.º 3.353).  Essa foi a lei que extinguiu a escravidão no Brasil.
Foi assinada por Dona Isabel, princesa imperial do Brasil, e pelo ministro da Agricultura da época, conselheiro Rodrigo Augusto da Silva. 
Estamos no final de 2011 já.
Enfim, voce é a au pair da casa, não a escrava. LEIA ISSO COM MUITA ATENÇÃO: a au pair só pode trabalhar, no máximo, 10 horas por dia e um total de 45 horas na semana. Leia outra vez: CARGA HORÁRIA MÁXIMA DE 10 HORAS POR DIA E NO MÁXIMO 45 HORAS NA SEMANA. 
LEIA AINDA ESSA OUTRA INFORMAÇÃO:
Os horários nao são substituíveis de semana pra semana. A família tem o direito de usar todas as suas 45 horas a cada semana, mas essas horas nao são acumuláveis para semanas seguintes. Por exemplo: se a família vai viajar por uma semana e vc ficará de folga essa semana coçando a pixoca na casa, isso não significa que na semana seguinte vc será obrigada a trabalhar 90 horas. 
Outra coisa importante: essas 45 horas são o seu LIMITE. A família pode usar tudo ou não. Se a familia só precisa de vc 20 horas por semana, problema deles. Eles não tem o direito de pagar menos ou te obrigar a trabalhar 60 horas na semana seguinte pra "compensar". Esse papinho de uma semana compensando a outra não existe. O que passou, passou. Fique de olho e jamais permita q a família abuse de vc. Fui clara??? Se abusarem dos seus horários , pode me escrever que eu mesma passo a mão no telefone e falo com a sua diretora de área. Eu hein. 
Meu nome é escrava Isaura, o apelido é au pair.